Pular para o conteúdo principal

Agenda de Shows

Postagens mais visitadas deste blog

A vida do trompetista de jazz Lee Morgan

O novo documentário de Kasper Collin lebra a vida intensa e turbulenta do trompetista de jazz Lee Morgan.

Nat Hentoff escreveu em 1960: "Todo ouvinte de jazz já teve experiencias tão surpreendentes que são literalmente inesquecíveis"

Uma das minhas aconteceu em um encontro com a big band de Dizzy Gillespie no Birdaland em 1957. Estava de costas para a plateia enquanto a banda começava tocar “Night in Tunisia.” De repente um som de trompete despontou da banda de forma tão reluzente e eletrizante que toda a conversa do bar cessou e os que gesticulavam ficaram com congelados com as mão abertas. Após o primeiro estrondoso impacto, me virei e vi que o trompetista era o jovem "sidemand" da Philadelphia, Lee Morgan.

Lee Morgan, que tinha dezenove anos quando Hentoff o ouviu, causava este efeito na maioria das pessoas. Seu som era tão brilhante, impetuoso e atrevido: como James Brown em começo de carreira com aquela arrogância pomposa da juventude. Morgan era um instrumen…

Nat King Cole ao órgão Hammond!

Nat King Cole, além de ser considerado um dos maiores cantores da história do jazz
foi também um excelente pianista. 

Muitas vezes tocar Hammond e criar sons é desconfortável para pianistas, mas Nat escolheu os presets (as teclas de cores invertidas na esquerda dos teclados) buscando um som que combinasse com sua voz.
A foto acima foi tirada em 1961 nos antológicos estúdios da Capitol Records em Los Angeles - California, durante as gravações do álbum Let's face the music (lançado em 1964). Ele esta tocando provavelmente um Hammond BC do começo dos anos 40 (dois modelos antes do B-3 que só foi fabricado em meados da década de 50).
Neste álbum, Cole faz acompanhamentos e solos ao órgão Hammond em cinco das doze faixas:
"When My Sugar Walks Down the Street"
"Cold, Cold Heart"
- "Moon Love"
"Too Little, Too Late"
"Let's Face the Music and Dance".




Claro que o resultado é diferente do estilo dos organistas de jazz, mas nem por isso …

Qual a diferença entre Órgão Hammond e Piano?

Há algumas diferenças significativas entre órgão e piano, apesar de ambos usarem o teclado como meio de performance. Porém a mecânica por trás das teclas é completamente diference. Um piano é considerado um membro da família musical da percussão, enquanto um órgão pode se encaixar nas famílias dos instrumentos de sopro, eletrônicos e mesmo nas famílias dos metais. A diferença principal entre a função dos dois durante a performance é a percussão versos corrente elétrica. O piano pode sustentar uma nota apenas por um período curto de tempo enquanto o órgão pode fazê-lo indefinidamente.
 O piano gera o som assim que o músico bate na nota anexada ao martelo através de um mecanismo. Por sua vez, este martelo bate em pelo menos uma corda de metal tencionada em uma grande moldura. Cada uma das várias cordas são afinadas em freqüências específicas, que permite o músico criar acordes e sons dissonantes pressionando em mais de uma nota ao mesmo tempo. A vibração das cordas criam o som e duram po…