Pular para o conteúdo principal

Qual a diferença entre Órgão Hammond e Piano?


Órgão Hammond é diferente de Piano
 Há algumas diferenças significativas entre órgão e piano, apesar de ambos usarem o teclado como meio de performance. Porém a mecânica por trás das teclas é completamente diference. Um piano é considerado um membro da família musical da percussão, enquanto um órgão pode se encaixar nas famílias dos instrumentos de sopro, eletrônicos e mesmo nas famílias dos metais. A diferença principal entre a função dos dois durante a performance é a percussão versos corrente elétrica.
 O piano pode sustentar uma nota apenas por um período curto de tempo enquanto o órgão pode fazê-lo indefinidamente.
 O piano gera o som assim que o músico bate na nota anexada ao martelo através de um mecanismo. Por sua vez, este martelo bate em pelo menos uma corda de metal tencionada em uma grande moldura.
Mecânica do Piano.
Cada uma das várias cordas são afinadas em freqüências específicas, que permite o músico criar acordes e sons dissonantes pressionando em mais de uma nota ao mesmo tempo. A vibração das cordas criam o som e duram por um período curto de tempo mesmo com a tecla apertada.

Em um teclado de órgão, por outro lado, não bate fisicamente em nada. Ao invés,  assim que o músico aperta uma nota, aciona os contatos mecânicos fechando um circuito elétrico.
Contatos mecânicos do órgão Hammond
As teclas do órgão Hammond fecham individualmente nove contatos correspondentes às freqüências específicas, mas cada nota pode soar por um tempo indefinido enquanto estiver segurando a tecla. Essa é a diferença mais importante entre a percussão do piano e um órgão elétrico/eletrônico.

Outra diferença entre piano e órgão é sua função musical como instrumento de acompanhamento. Nas igrejas, o piano é um instrumento rítmico, por se tratar de um instrumento percussivo. E o órgão, por sustentar as notas e estabelecer uma complexidade maior de sons é usada como acompanhamento principalmente quando em conjunto com cantores e corais.
As possibilidades de timbres de cada um os diferenciam ainda mais. O som do piano pouco pode variar, apenas através do tamanho do piano há uma variação na riqueza da tonalidade. O órgão Hammond pode recriar sons como instrumentos de sopro, metais e paletas e suas combinações. No Hammond os "Drawbars" puxam cada harmônico e possibilitam criar sons diferentes que remetam até à instrumentos de cordas. 
Os tês teclados do Hammond (Swell, Great e Pedal)

No órgão há três teclados. Os primeiros dois podem assumir sons diferentes e o terceiro é a pedaleira destinada aos sons graves (os baixos).
No órgão não há praticamente dinâmica relacionada ao toque das teclas. Aliás o piano, cujo nome completo é Pianoforte, tem este nome, pois quando foi criado - posterior ao órgão, espineta  e cravo - foi a primeira vez que um instrumento de teclas respondia ao "toque" nas notas. Permitindo atingir dinâmicas dos sons fracos, leves e suaves - significado da palavra Piano - aos sons altos, cheios e "Fortes". 

Postagens mais visitadas deste blog

A vida do trompetista de jazz Lee Morgan

O novo documentário de Kasper Collin lebra a vida intensa e turbulenta do trompetista de jazz Lee Morgan.

Nat Hentoff escreveu em 1960: "Todo ouvinte de jazz já teve experiencias tão surpreendentes que são literalmente inesquecíveis"

Uma das minhas aconteceu em um encontro com a big band de Dizzy Gillespie no Birdaland em 1957. Estava de costas para a plateia enquanto a banda começava tocar “Night in Tunisia.” De repente um som de trompete despontou da banda de forma tão reluzente e eletrizante que toda a conversa do bar cessou e os que gesticulavam ficaram com congelados com as mão abertas. Após o primeiro estrondoso impacto, me virei e vi que o trompetista era o jovem "sidemand" da Philadelphia, Lee Morgan.

Lee Morgan, que tinha dezenove anos quando Hentoff o ouviu, causava este efeito na maioria das pessoas. Seu som era tão brilhante, impetuoso e atrevido: como James Brown em começo de carreira com aquela arrogância pomposa da juventude. Morgan era um instrumen…

Roy Haynes: Mandando ver!

Roy Haynes ficou um pouco surpreso com o comentário. Claro que tem uma carga erótica na maneira dele toca bateria. “Notei que nos últimos 10 ou 15 anos, muitas mulheres apareciam depois de meus shows,” ele diz. “Algumas diziam que nunca haviam visto um baterista tocar assim.”

Uma instantânea confiança jovial vinda de um homem que já passou dos 80. Haynes fala, anda e age assim. Seu estilo de moda, assim como seu jeito empolgante de tocar, tem sido sua assinatura por décadas - o baixista Al McKibbon não nega o termo “Mandando ver até quebrar” (Snap, Pop and Crack, em inglês) . “Ele é a pessoa mais estilosa, sempre,” diz Jeff “Tain” Watts. “Ele é assim faz muito tempo. Eu li esse termo sobre ele na revista Esquire nos anos 60. Sim-‘Mandando ver’ já diz tudo.”

Como um terno sob medida, o apelido que Haynes tinha nos anos 50 ainda lhe cabe perfeitamente. Com um ataque de caixa usando as duas baquetas Haynes consegue chamar a atenção mesmo em um bar cheio e barulhento. É um recurso que …