Pular para o conteúdo principal

Aos 85 anos, o guitarrista de jazz e educador Kenny Burrell continua firme e forte!

Aos 85 anos, o guitarista Kenny Burrell, vibrante e cheio de vida é uma exceção na história do jazz repleta de contos trágicos e mais finais prematuros do que o destino deveria permitir.


“Acho que dei sorte com minha genética — minha mãe viveu até os 99 anos, talvez tenha a ver com isso”, Burrell comenta ao telefone do seu escritório em Schoenberg Hall na Universidade da Califórnia em Los Angeles, UCLA. Sua voz estava serena e firme, mesmo recém chegado de uma boa caminhada do estacionamento até o campus.

Burrell faz a mesma caminhada por duas décadas desde que foi convidado pela UCLA para ser idealizador e diretor do curso de jazz. Comemorando 20 anos do curso e os 85 anos de Burrell, a UCLA, escola de música Alpert School of Music (HASOM) e os Amigos do Jazz na Universidade se apresentaram no sábado, 03 de dezembro de 2016, no Royce Hall. O legendário guitarrista tocou com diversos artistas convidados, incluindo os cantores Barbara Morrison, Tierney Sutton e Robin Simone, o compositor Lalo Schifrin, a orquestra Los Angeles Jazz Unlimited Orchestra e a UCLA Philharmonia, regidos por Neal Stulberg.
Na sequência do concerto foi anunciado a criação do cargo em homenagem a Burrell, com seu nome para cadeira professoral do curso. “Kenny dedicou sua vida ao estudo avançado do jazz e a música como uma importante forma de arte Americana” disse Judith Smith, reitora efetiva da escola UCLA Herb Alpert School of Music, durante o discurso. “ O curso Kenny Burrell de estudos do Jazz ajudará a a recrutar um ótimo corpo docente que pode avançar cada vez mais os limites do ensino, levando adiante os artistas do Jazz.”

A relação de Burrell com a UCLA vem desde 1978 quando a escola o convidou para criar o programa do curso de Estudos Afro-Americanos. “Era apenas uma curso de meio período" ele disse. “Eu ainda estava viajando pelo mundo e não tinha muito tempo para ser professor”. Burrell decidiu lecionar sobre um dos seus ídolos, o famoso pianista e compositor de jazz, Duke Ellington. A oportunidade de ensinar este curso, que Burrell nomeou de “Ellingtonia,” em parceria com a gravadora e selo californiano Fantasy Records, incentivou Burrell a se mudar de New York para Los Angeles atravessando o país junto de sua mulher e crianças. “Imaginei que seria um ótimo lugar para criar meus filhos e aproveitar as futuras oportunidades que estariam disponíveis para mim.”

Jimmy Smith e Kenny Burrell

Foi uma mudança significativa para Burrell, ele era um dos guitarristas mais produtivos e requisitados da era pós-bebop, elogiado pelo próprio Duke Ellington. Se apresentou e gravou com os melhores do jazz, incluindo Benny Goodman, Dizzy Gillespie, Oscar Peterson e John Coltrane. Burrell ficou conhecido pelo seu trabalho com o incrível Jimmy Smith e seu formidável organ trio, gravando mais de 20 álbums com este virtuoso organista, incluindo o aclamado Organ Grinder’s Swing.

A mudança de Burrell para a Cosa Oeste foi o começo de sua gradual transição de músico prático para professor. Após lecionar por meio período na UCLA por 20 anos, Burrell finalmente abraçou seu destino como educador em 1996 quando foi nomeado professor efetivo e coordenador do programa de jazz.


“Este era o sinal de que eles acreditaram de que eu era capaz, pela minha carreira e integridade que conquistei através dos anos atuando como músico, escritor e intérprete”, ele conta. "Senti que era uma grande oportunidade para realizar algo que valesse a pena, algo que eu sempre sonhei, algo que me permitisse conseguir o que diversos jazzistas conhecidos e talentosos não tiveram a oportunidade de conquistar". Na conversa com Burrell dava para sentir seu entusiasmo e devoção aos alunos que confiam nos seus ensinamentos. Ele falou com muito carinho de dois de seus antigos

pupilos, o saxofonista Kamasi Washington e a cantora Gretchen Parlato, ambos alunos da UCLA e jazz superstars. Washington, ele diz "veio [para audição] e tocou a música 'Giant Steps' do Coltrane. Foi inacreditável para um novato tocar naquele nível. Sem dúvidas ele ia ser bem sucedido. [Gretchen] tinha uma voz suave e sutil, mas as notas que cantava e as harmonias que fazia eram tão grandiosas que sabíamos que ela seria bem sucedida.” Burrell acrescenta com orgulho, “Ela veio para vencer o concurso Thelonious Monk Competition!”

Kamasi Washington

Gretchen Parlato
É crédito total de Burrell que organizou o programa para continuar e se adaptar ao clima do jazz em Los Angeles. Ele faz este trabalho por amor. “É uma alegria minha e dos nossos professores ajudar os músicos” ele conclui, “porque o que esta sendo feito é dar vida para que esta grande forma de arte continue”.
por Gary Fukoshima
traduzido e adaptado por Daniel Latorre

Postagens mais visitadas deste blog

A vida do trompetista de jazz Lee Morgan

O novo documentário de Kasper Collin lebra a vida intensa e turbulenta do trompetista de jazz Lee Morgan.

Nat Hentoff escreveu em 1960: "Todo ouvinte de jazz já teve experiencias tão surpreendentes que são literalmente inesquecíveis"

Uma das minhas aconteceu em um encontro com a big band de Dizzy Gillespie no Birdaland em 1957. Estava de costas para a plateia enquanto a banda começava tocar “Night in Tunisia.” De repente um som de trompete despontou da banda de forma tão reluzente e eletrizante que toda a conversa do bar cessou e os que gesticulavam ficaram com congelados com as mão abertas. Após o primeiro estrondoso impacto, me virei e vi que o trompetista era o jovem "sidemand" da Philadelphia, Lee Morgan.

Lee Morgan, que tinha dezenove anos quando Hentoff o ouviu, causava este efeito na maioria das pessoas. Seu som era tão brilhante, impetuoso e atrevido: como James Brown em começo de carreira com aquela arrogância pomposa da juventude. Morgan era um instrumen…

Roy Haynes: Mandando ver!

Roy Haynes ficou um pouco surpreso com o comentário. Claro que tem uma carga erótica na maneira dele toca bateria. “Notei que nos últimos 10 ou 15 anos, muitas mulheres apareciam depois de meus shows,” ele diz. “Algumas diziam que nunca haviam visto um baterista tocar assim.”

Uma instantânea confiança jovial vinda de um homem que já passou dos 80. Haynes fala, anda e age assim. Seu estilo de moda, assim como seu jeito empolgante de tocar, tem sido sua assinatura por décadas - o baixista Al McKibbon não nega o termo “Mandando ver até quebrar” (Snap, Pop and Crack, em inglês) . “Ele é a pessoa mais estilosa, sempre,” diz Jeff “Tain” Watts. “Ele é assim faz muito tempo. Eu li esse termo sobre ele na revista Esquire nos anos 60. Sim-‘Mandando ver’ já diz tudo.”

Como um terno sob medida, o apelido que Haynes tinha nos anos 50 ainda lhe cabe perfeitamente. Com um ataque de caixa usando as duas baquetas Haynes consegue chamar a atenção mesmo em um bar cheio e barulhento. É um recurso que …

Qual a diferença entre Órgão Hammond e Piano?

Há algumas diferenças significativas entre órgão e piano, apesar de ambos usarem o teclado como meio de performance. Porém a mecânica por trás das teclas é completamente diference. Um piano é considerado um membro da família musical da percussão, enquanto um órgão pode se encaixar nas famílias dos instrumentos de sopro, eletrônicos e mesmo nas famílias dos metais. A diferença principal entre a função dos dois durante a performance é a percussão versos corrente elétrica. O piano pode sustentar uma nota apenas por um período curto de tempo enquanto o órgão pode fazê-lo indefinidamente.
 O piano gera o som assim que o músico bate na nota anexada ao martelo através de um mecanismo. Por sua vez, este martelo bate em pelo menos uma corda de metal tencionada em uma grande moldura. Cada uma das várias cordas são afinadas em freqüências específicas, que permite o músico criar acordes e sons dissonantes pressionando em mais de uma nota ao mesmo tempo. A vibração das cordas criam o som e duram po…