Pular para o conteúdo principal

Gravando o álbum Funktastic Hammond Grooves

Gravado em 2016 durante o feriado do aniversário de São Paulo, cidade natal do Hammond Grooves, o álbum Funktastic mistura o clima ao vivo dos shows com o formato de captação de áudio "old school" para seu primeiro trabalho autoral.

Hammond Grooves organ trio - foto: Fábio Stamato

 Todas as faixas foram gravadas ao vivo, como se fazia antigamente e em poucos "takes". Foram usados poucos microfones posicionados estrategicamente. Todos instrumentos captados na mesma sala, os músicos tocando de perto e se ouvindo naturalmente sem o uso de fones de ouvido. O técnico de som Hugo Silva, que já trabalhou com Chico Pinheiro, Anthony Wilson, Zimbo Trio, Cesar Camargo Mariano, etc, realizou a gravação e mixagem do disco. A masterização foi feita pelo renomado André Kbelo.

Hammond Grooves organ trio - foto: Fábio Stamato


   Esse conceito "old‐school" foi uma escolha inspirada nos álbuns da Blue Note e Verve Records. O método de gravação tem a intenção de transmitir o clima inesperado que acontece nos shows ao vivo do Hammond Grooves, além da sonoridade "vintage" que também é referência do trio.

As gravações aconteceram no Family Mob Studios que é um espaço incrível! Transmite uma atmosfera natural e aconchegante como se você estivesse em sua própria casa. Especialmente pela amizade, profissionalismo e respeito de todos que compõe esta família. Idealizado por Jean Dolabella e Estevam Romera, que produzem e lançam este álbum pelo selo Family Mob Records, conseguiram realizar um sonho que também se tornou do Hammond Grooves e de muitos que frequentam o estúdio. Mais que isso, o FMS é um centro de arte, música, criatividade e boas energias.

Family Mob Studio - SP / foto: Aaron Freier

O Álbum FUNKTASTIC esta disponível nas principais plataformas digitais: iTunes, Deezer, Google Play, YouTube e Spotify


FICHA TÉCNICA
Daniel Latorre: Hammond B-3 | Wagner Vasconcelos: bateria | Filipe Galadri: guitarra.
Gravado no Family Mob Studios em 05 de agosto de 2015, 24 e 25 de Janeiro de 2016, São Paulo, SP, Brasil.
Gravado e Mixado por Hugo "Huguera" Silva
"Orange Bird" gravado por David Menezes | Assistente: Bruno "Skero" Lafaza
Masterizado por André "Kbelo" Sangiacomo
Produzido por Family Mob Records - Jean Dolabella e Estevam Romera.


Postagens mais visitadas deste blog

A vida do trompetista de jazz Lee Morgan

O novo documentário de Kasper Collin lebra a vida intensa e turbulenta do trompetista de jazz Lee Morgan.

Nat Hentoff escreveu em 1960: "Todo ouvinte de jazz já teve experiencias tão surpreendentes que são literalmente inesquecíveis"

Uma das minhas aconteceu em um encontro com a big band de Dizzy Gillespie no Birdaland em 1957. Estava de costas para a plateia enquanto a banda começava tocar “Night in Tunisia.” De repente um som de trompete despontou da banda de forma tão reluzente e eletrizante que toda a conversa do bar cessou e os que gesticulavam ficaram com congelados com as mão abertas. Após o primeiro estrondoso impacto, me virei e vi que o trompetista era o jovem "sidemand" da Philadelphia, Lee Morgan.

Lee Morgan, que tinha dezenove anos quando Hentoff o ouviu, causava este efeito na maioria das pessoas. Seu som era tão brilhante, impetuoso e atrevido: como James Brown em começo de carreira com aquela arrogância pomposa da juventude. Morgan era um instrumen…

Roy Haynes: Mandando ver!

Roy Haynes ficou um pouco surpreso com o comentário. Claro que tem uma carga erótica na maneira dele toca bateria. “Notei que nos últimos 10 ou 15 anos, muitas mulheres apareciam depois de meus shows,” ele diz. “Algumas diziam que nunca haviam visto um baterista tocar assim.”

Uma instantânea confiança jovial vinda de um homem que já passou dos 80. Haynes fala, anda e age assim. Seu estilo de moda, assim como seu jeito empolgante de tocar, tem sido sua assinatura por décadas - o baixista Al McKibbon não nega o termo “Mandando ver até quebrar” (Snap, Pop and Crack, em inglês) . “Ele é a pessoa mais estilosa, sempre,” diz Jeff “Tain” Watts. “Ele é assim faz muito tempo. Eu li esse termo sobre ele na revista Esquire nos anos 60. Sim-‘Mandando ver’ já diz tudo.”

Como um terno sob medida, o apelido que Haynes tinha nos anos 50 ainda lhe cabe perfeitamente. Com um ataque de caixa usando as duas baquetas Haynes consegue chamar a atenção mesmo em um bar cheio e barulhento. É um recurso que …

Qual a diferença entre Órgão Hammond e Piano?

Há algumas diferenças significativas entre órgão e piano, apesar de ambos usarem o teclado como meio de performance. Porém a mecânica por trás das teclas é completamente diference. Um piano é considerado um membro da família musical da percussão, enquanto um órgão pode se encaixar nas famílias dos instrumentos de sopro, eletrônicos e mesmo nas famílias dos metais. A diferença principal entre a função dos dois durante a performance é a percussão versos corrente elétrica. O piano pode sustentar uma nota apenas por um período curto de tempo enquanto o órgão pode fazê-lo indefinidamente.
 O piano gera o som assim que o músico bate na nota anexada ao martelo através de um mecanismo. Por sua vez, este martelo bate em pelo menos uma corda de metal tencionada em uma grande moldura. Cada uma das várias cordas são afinadas em freqüências específicas, que permite o músico criar acordes e sons dissonantes pressionando em mais de uma nota ao mesmo tempo. A vibração das cordas criam o som e duram po…