Pular para o conteúdo principal

Thelonious Monk e a prévia exclusiva do documentário ‘The Jazz Loft’


O The Jazz Loft é ao mesmo tempo sobre o homem que documentou tudo isso, outrora consagrado pela revista Life Magazine, o fotojornalista, W. Eugene Smith, sobre os músicos e as sessões que eles tocaram. Transitando pela vida pessoal e profissional, Smith expõe seu obcecado lado artístico e seu comprometimento com suas produções. Largando sua esposa e crianças em sua residência na parte norte de New York para se dedicar integralmente a sua fotografia, Smith montou um loft na Sexta Avenida 821 assim que as coisas começaram a esquentar. 
 No final dos anos de 1950 artistas e músicos começaram a morar ilegalmente em um prédio residencial no bairro Chelsea’s Flower District. De noite, lendas do jazz como o Thelonious Monk e em uma ocasião particular, Salvador Dalí, (entre os muitos gênios criativos), passavam no loft do pianista Hall Overton para se encontrar e tocar; de dia as ruas em volta da Sexta Avenida e a rua 28W desabrochavam os negócios no distrito das floriculturas e suas novas encomendas. Por ser um bairro estritamente comercial, não havia quem reclamasse do barulho e fumaça de cigarro vinda do loft, pelo menos até as primeiras horas do dia.
 Overton era o vizinho colado e síndico do condomínio de W. Eugene Smith, a "vibe" criativa do prédio era tanta que Smith podia frequentar e entrar sempre que quisesse, gravando e fotografando obsessivamente todos que iam na casa de Overton. Instalou microfones nas paredes e teto do seu apartamento até o de Overton, o que Smith gravou e deixou é um retrato interessante de um fotógrafo excêntrico. Estas imagens e gravações retratam intimamente um underground Nova-iorquino mítico e criativo que metaforicamente define a cidade e a atração que exerce sobre os artistas.

Postagens mais visitadas deste blog

A vida do trompetista de jazz Lee Morgan

O novo documentário de Kasper Collin lebra a vida intensa e turbulenta do trompetista de jazz Lee Morgan.

Nat Hentoff escreveu em 1960: "Todo ouvinte de jazz já teve experiencias tão surpreendentes que são literalmente inesquecíveis"

Uma das minhas aconteceu em um encontro com a big band de Dizzy Gillespie no Birdaland em 1957. Estava de costas para a plateia enquanto a banda começava tocar “Night in Tunisia.” De repente um som de trompete despontou da banda de forma tão reluzente e eletrizante que toda a conversa do bar cessou e os que gesticulavam ficaram com congelados com as mão abertas. Após o primeiro estrondoso impacto, me virei e vi que o trompetista era o jovem "sidemand" da Philadelphia, Lee Morgan.

Lee Morgan, que tinha dezenove anos quando Hentoff o ouviu, causava este efeito na maioria das pessoas. Seu som era tão brilhante, impetuoso e atrevido: como James Brown em começo de carreira com aquela arrogância pomposa da juventude. Morgan era um instrumen…

Roy Haynes: Mandando ver!

Roy Haynes ficou um pouco surpreso com o comentário. Claro que tem uma carga erótica na maneira dele toca bateria. “Notei que nos últimos 10 ou 15 anos, muitas mulheres apareciam depois de meus shows,” ele diz. “Algumas diziam que nunca haviam visto um baterista tocar assim.”

Uma instantânea confiança jovial vinda de um homem que já passou dos 80. Haynes fala, anda e age assim. Seu estilo de moda, assim como seu jeito empolgante de tocar, tem sido sua assinatura por décadas - o baixista Al McKibbon não nega o termo “Mandando ver até quebrar” (Snap, Pop and Crack, em inglês) . “Ele é a pessoa mais estilosa, sempre,” diz Jeff “Tain” Watts. “Ele é assim faz muito tempo. Eu li esse termo sobre ele na revista Esquire nos anos 60. Sim-‘Mandando ver’ já diz tudo.”

Como um terno sob medida, o apelido que Haynes tinha nos anos 50 ainda lhe cabe perfeitamente. Com um ataque de caixa usando as duas baquetas Haynes consegue chamar a atenção mesmo em um bar cheio e barulhento. É um recurso que …

Qual a diferença entre Órgão Hammond e Piano?

Há algumas diferenças significativas entre órgão e piano, apesar de ambos usarem o teclado como meio de performance. Porém a mecânica por trás das teclas é completamente diference. Um piano é considerado um membro da família musical da percussão, enquanto um órgão pode se encaixar nas famílias dos instrumentos de sopro, eletrônicos e mesmo nas famílias dos metais. A diferença principal entre a função dos dois durante a performance é a percussão versos corrente elétrica. O piano pode sustentar uma nota apenas por um período curto de tempo enquanto o órgão pode fazê-lo indefinidamente.
 O piano gera o som assim que o músico bate na nota anexada ao martelo através de um mecanismo. Por sua vez, este martelo bate em pelo menos uma corda de metal tencionada em uma grande moldura. Cada uma das várias cordas são afinadas em freqüências específicas, que permite o músico criar acordes e sons dissonantes pressionando em mais de uma nota ao mesmo tempo. A vibração das cordas criam o som e duram po…