Pular para o conteúdo principal

Meu Primeiro Golpe de Estado - Cult.Jazz #maio16a

 A ideia de sugerir este livro foi motivada pela história do folclore africano, Taka, Tika e Gangale que o escritor, historiador e presidente da República de Gana, John Dramani Mahama nos conta como exemplo moral básico que deveríamos lembrar todos os dias.

O Livro se trata da experiência do autor sobre o Golpe de Estado, as décadas perdidas de Gana e de quase todo território africano após a repartição imperialista resultante da Segunda Guerra Mundial, os efeitos das guerras civis, disputas internas pelo poder, crise econômica e êxodo de profissionais e intelectuais para o estrangeiro.

Meu Primeiro Golpe de Estado

 
"Era a história de Taka, Tika e Gangale, três pássaros canoros que eram amigos. O nome deles refletia as notas musicais que cada um cantava. A combinação dos três, principalmente quando entoada repetidas vezes, tinha um ritmo encantador. Eles a transformaram numa canção e começaram a voar até a praça da aldeia todo dia, ao nascer do sol, depois que as mulheres arrumavam na feira os seus legumes, frutas, cereais e mercadorias.

Quando os fregueses chegavam e começavam a bater nas melancias e apertar as laranjas para ver se estavam maduras, os passarinhos já circulavam no ar, enchendo-o com sua música harmoniosa. "Ta-ka-tka-gan-gale-ta-ka-tika-gan-ga-le, ta-ka-tika-gan-gale", era como chilreavam. Mudavam o ritmo e inseriam pausas, transformando-a num espetáculo completo.

Os aldeões gostavam de ouvir aqueles passarinhos cantarem. Enchiam-nos de presentes, pedaços de pão e cereais, moedas ou notas que erguiam nas mãos, levantando o braço no ar para que os passarinhos pudessem passar voando e recolhê-los. A parceria dos três amigos era próspera. A diversão que ofereciam se tornou a principal atração da feira.

Então o sucesso começou a encher a cabeça deles de ganância. Cada um imaginava secretamente que seria capaz de ficar com todos os presentes. Cada um começou a se perguntar por que precisava dos outros dois pássaros. Por algum tempo eles guardaram essas ideias para si. Certo dia, a viagem até a feira lhes trouxe uma coleta de bens especialmente grande. A convite de Taka, voaram todos até seu ninho para festejar. Depois da refeição, quando todos estavam cheios e satisfeitos, Taka disse aos outros que queria conversar. Começou com uma teoria.

---- Sou o líder de toda essa coisa - disse. --- É o meu nome, Taka, que nos torna tão populares. É o poder daquela primeira nota que escutam que nos traz essa comida e os presentes que recebemos. --- Na mesma hora, os outros dois viram aonde Taka queria chegar.
---- É claro que isso não é verdade --- Tika se apressou a refutar. --- Meu nome, Tika, é que faz as pessoas nos darem coisas. É um pareamento incomun de notas, uma aguda, a outra grave. Isso faz dele o mais melodioso.

---- Ei, ei, ei --- interrompeu Gangale. --- O que estão dizendo não tem nada a ver. Vocês dois só cantam duas notas. Eu canto três, que soam como percussão. É disso que as pessoas gostam. É o meu nome e a minha contribuição que elas preferem.
A discussão se inflamou e cada pássaro começou a sentir a necessidade de proclamar seu talento e proteger seu quinhão dos presentes dos aldeões. Os três amigos que tinham trabalhado tão bem juntos se zangaram e decidiram dar fim à parceria e à amizade. Concordaram em ir cada um para o seu lado.
Na manhã seguinte, Taka chegou primeiro à aldeia. Voou alto, com confiança, enquanto esperava as mercadoras colocarem folhas de jornal amassado no fundo das cestas de hortaliças, depois empilhar as frutas e legumes lá dentro, inclinando-as de leve para aumentar a impressão de abundância. Assim que os fregueses começaram a chegar, Taka fez sua estreia.

---- Ta-ka-ta-ka-ta-ka --- cantou com intensidade --- , ta-ka-ta-ka-ta-ka. --- Era um som mobótono e picotado que os aldeões acharam irritante.
---- Que barulho é esse? --- perguntaram uns aos outros. Assim que viram que era o passarinho que voava de barraca em barraca criando confusão, juntaram pedras e começaram a jogá-las para enxotá-lo. Assustado, Taka bateu as asas o mais que pôde e voltou ao seu ninho. Na manhã seguinte, quando foi à feira tentar a sorte outra vez, a mesma coisa aconteceu. Durante vários dias, ficou no ninho, desanimado e faminto. Tinha se acostumado à seleção de alimentos saborosos que os aldeões davam a ele e aos outros dois pássaros, e agora tinha de procurar o que comer.
A tentativa de carreira solo de Tika foi recebida com mesmo desdém. Ele chegou pouco depois da partida de Taka. sem saber do destino do ex-amigo. Encontrou um lugar no alto de uma das barracas das feirantes. Era um ponto central, onde todos conseguiram vê-lo e ouví-lo. Ali, começou a cantar "Ti-ka-ti-ka-ti-ka-ti-ka-ti-ka-ti-ka".

Esse som era ainda mais desagradável. A nota agudíssima que tinha de dar ao cantar seu nome soava como um guincho para os aldeões. Alguns, incapazes de se concentrar na negociação que ocorria entre eles e as mercadorias, abandonaram as compras e foram embora.

---- Ah, esse passarinho vai acabar com minha freguesia! --- exclamou uma das mercadoras. Ela pegou a maior pedra que encontrou e a jogou diretamente em Tika, e errou por pouco. Chocado, ele saiu voando e não voltou. Como Taka, depois de alguns dias sozinho no ninho começou a sentir saudade daquela época mais feliz em que eram todos amados e bem alimentados.
Gangale esperou alguns dias antes de ir à feira. Ensaiou sua canção, voando de árvore em árvore numa floresta perto da aldeia, cantando seu nome, tentando encontrar o tom e o ritmo certo. Quando sentiu que estava pronto, foi à praça da aldeia. Estava movimentadíssima. Os fregueses já tinham chegado e circulavam. Ele limpou a garganta e começou.

---- Gan-ga-le, gan-ga-le, gan-ga-le --- cantou. Então fez uma pausa e continuou --- Gan-ga-le, gan-ga-le, gan-ga-le. --- Achou que alguns aldeões estavam gostando da canção. Eles arrastavam os pés e balançavam a cabeça no ritmo. Gangale continuou. --- Gan-ga-le, gan-ga-le, gan-ga-le. --- De pois de algumas repetições, ouviu um dos aldeões perguntar:
---- Mas esse passarinho só sabe cantar isso? Que coisa mais sem sentido!
---- Hun, vai ver está com uma minhoca engasgada. --- Isso fez todo mundo rir.
---- Vá embora --- insistiram. --- Volte quando souber das mais vida à sua canção, para que fique doce.
--- Ora, o que aconteceu com aqueles passarinhos que costumavam vir aqui? --- ouviu uma das feirantes perguntar quando saía voando. Em vez de voltar diretamente ao seu ninho, Gangale foi visitar Tika. Queria descobrir como os aldeões tinham recebido o velho amigo. Quando chegou ao ninho de Tika, Gangale pôde ver que o colega estava desolado. Tika, que conhecia Gangale havia anos, também soube na mesma hora que ele estava infeliz. Os dois sabiam o que tinham de fazer. Foram juntos para o ninho de Taka.

T.aka era um pássaro vaidoso e se recusou a permitir que os outros soubessem que fracassara redondamente, mas os antigos amigos conseguiram enxergar por trás do fingimento.
---- Acho que todos fomos tolos --- disse-lhe Gangale.
---- É --- acrescentou Tika. --- Nenhum de nós era líder nem tinha mais a contibuir.
---- O que eles amavam --- Continuou Gangale --- era a música que fazíamos juntos.
---- Você tem razão --- Taka teve de confessar, --- Sem os outros, o que fazemos não é música.
Eles concordaram em reatar a amizade e voltar à parceria. Na manhã seguinte, chegaram à feira do mercado bem cedinho. como sempre faziam quando cantavam juntos. E quando começaram a chilrear "Ta-ka-ti-ka-gan-ga-le, ta-ka-ti-ka-gan-ga-le, ta-ka-ti-ka-gan-ga-le", tiveram uma platéia alegre e calorosa.

---- Eeeeeiii, os nossos pássaros canouros voltaram --- alegram-se todos. Os aldeões deram aos pássaros mais comida e dinheiro do que os três já tinham recebido num único dia. Eles voltaram ao ninho de Gangale para comer o pão, as frutas e os cereais e para contar e dividir igualmente o dinheiro. Depois que cada passarinho recebeu o devido quinhão e ficou contente, Taka, Tika e Gangale prometeram nunca mais permitir que o orgulho atrapalhasse seu progresso."

Meu Primeiro Golpe de Estado | Autor: John Dramani Mahama | Tradução: Beatriz Medina | Edição: 1ª | Editora Geração | ISBN: 9788581301808

"Jazz to me is the spirit of freedom. I mean real freedom. Freedom to explore. Freedom to express. Freedom to pour out your guts"  Herbie Hancock
Jazz to me is the spirit of freedom. I mean real freedom. Freedom to explore. Freedom to express. Freedom to pour out your guts.
Read more at: http://www.azquotes.com/quote/576092

Postagens mais visitadas deste blog

A vida do trompetista de jazz Lee Morgan

O novo documentário de Kasper Collin lebra a vida intensa e turbulenta do trompetista de jazz Lee Morgan.

Nat Hentoff escreveu em 1960: "Todo ouvinte de jazz já teve experiencias tão surpreendentes que são literalmente inesquecíveis"

Uma das minhas aconteceu em um encontro com a big band de Dizzy Gillespie no Birdaland em 1957. Estava de costas para a plateia enquanto a banda começava tocar “Night in Tunisia.” De repente um som de trompete despontou da banda de forma tão reluzente e eletrizante que toda a conversa do bar cessou e os que gesticulavam ficaram com congelados com as mão abertas. Após o primeiro estrondoso impacto, me virei e vi que o trompetista era o jovem "sidemand" da Philadelphia, Lee Morgan.

Lee Morgan, que tinha dezenove anos quando Hentoff o ouviu, causava este efeito na maioria das pessoas. Seu som era tão brilhante, impetuoso e atrevido: como James Brown em começo de carreira com aquela arrogância pomposa da juventude. Morgan era um instrumen…

Roy Haynes: Mandando ver!

Roy Haynes ficou um pouco surpreso com o comentário. Claro que tem uma carga erótica na maneira dele toca bateria. “Notei que nos últimos 10 ou 15 anos, muitas mulheres apareciam depois de meus shows,” ele diz. “Algumas diziam que nunca haviam visto um baterista tocar assim.”

Uma instantânea confiança jovial vinda de um homem que já passou dos 80. Haynes fala, anda e age assim. Seu estilo de moda, assim como seu jeito empolgante de tocar, tem sido sua assinatura por décadas - o baixista Al McKibbon não nega o termo “Mandando ver até quebrar” (Snap, Pop and Crack, em inglês) . “Ele é a pessoa mais estilosa, sempre,” diz Jeff “Tain” Watts. “Ele é assim faz muito tempo. Eu li esse termo sobre ele na revista Esquire nos anos 60. Sim-‘Mandando ver’ já diz tudo.”

Como um terno sob medida, o apelido que Haynes tinha nos anos 50 ainda lhe cabe perfeitamente. Com um ataque de caixa usando as duas baquetas Haynes consegue chamar a atenção mesmo em um bar cheio e barulhento. É um recurso que …

Qual a diferença entre Órgão Hammond e Piano?

Há algumas diferenças significativas entre órgão e piano, apesar de ambos usarem o teclado como meio de performance. Porém a mecânica por trás das teclas é completamente diference. Um piano é considerado um membro da família musical da percussão, enquanto um órgão pode se encaixar nas famílias dos instrumentos de sopro, eletrônicos e mesmo nas famílias dos metais. A diferença principal entre a função dos dois durante a performance é a percussão versos corrente elétrica. O piano pode sustentar uma nota apenas por um período curto de tempo enquanto o órgão pode fazê-lo indefinidamente.
 O piano gera o som assim que o músico bate na nota anexada ao martelo através de um mecanismo. Por sua vez, este martelo bate em pelo menos uma corda de metal tencionada em uma grande moldura. Cada uma das várias cordas são afinadas em freqüências específicas, que permite o músico criar acordes e sons dissonantes pressionando em mais de uma nota ao mesmo tempo. A vibração das cordas criam o som e duram po…